quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Fio Maravilha


Texto escrito por Borja Barba no site  http://www.diariosdefutbol.com/  (Link do texto original) 

Fio Maravilha, un mito hecho música







João es ya un norteamericano más. Se ha empapado de la cultura del trabajo, tan ajena a sus orígenes, y se ha convertido en un self-made man ejemplar. Lleva casi treinta años haciendo y repartiendo pizzas en el área de San Francisco, a donde llegó en la década de los ochenta con la magia de su pie izquierdo como único y ligero equipaje. Supo aprovechar las oportunidades y aprender a ganarse la vida en un país abierto a los emprendedores con agallas. João llegó a Estados Unidos para jugar al fútbol. O alsoccer. Corrían los años ochenta y el gigante norteamericano intentaba crear el caldo de cultivo ideal para el desarrollo de un deporte que hacía furor en los países de procedencia de la mayoría de los inmigrantes que comenzaban a llegar a las principales ciudades del país en busca de una vida mejor que la que les ofrecía su tierra. Fue entonces, en mitad de aquella oleada que pretendía introducir el fútbol en una sociedad inhóspita, cuando João Batista de Sales (Minas Gerais, Brasil, 1945) decidió dar un giro radical a su vida y echar raíces en la tierra prometida. Así llegó a San Francisco, previo paso por Nueva York y Los Ángeles, para acabar colgando sus ya maltrechas botas en el San Francisco Mercury, un pequeño y extravagante equipo semi amateur tan efímero como aquella primigenia fiebre por el soccer.
Pero aquellas botas cuarteadas y desgastadas que un buen día de la primavera de 1985 acabaron sus días colgadas de la percha de un vestuario de San Francisco, acompasadas por el suave balanceo que indicaba el fin de sus correrías, acumulaban una cantidad ingente de kilómetros y un buen número de goles y jugadas para el recuerdo en los mejores escenarios. Aquellas botas tenían una bonita historia detrás de ellas. Una historia que muy pocos de los que asistieron a sus últimos días conocían.
Porque hubo un día en el que João Batista de Sales, el modesto futbolista brasileño que aterrizó en Estados Unidos para ayudar a convencer al país más poderoso e influyente del mundo de las bondades del deporte más practicado del planeta, consiguió levantar y aunar el grito de júbilo de los cien mil torçedores del mítico Maracaná. Hubo un día en el que, gracias a su fútbol anárquico, efectista y barroco, fue ídolo y leyenda del Flamengo. Hubo un día en el que João, el pizzero mulato de brillante dentadura postiza y leve cojera, fue Fio Maravilha.
Desdentado por efecto de la caña de azúcar y de la mala alimentación, el joven João llegó al Flamengo cuando apenas contaba quince años, con el sueño, compartido con millones de compatriotas, de llegar a ser alguien en el mundo del fútbol. Sin llegar a ser nunca un extraordinario futbolista, algo tuvo que tener para llegar a permanecer hasta nueve temporadas en el club de regatas de Gávea. Dicen las crónicas y los testimonios de quienes le vieron jugar con la rubro-negra del Fla que fue un delantero técnico, por ello se ganó el apodo entre la torçida de Fio Maravilha, pero extravagante, desordenado y poco académico. Capaz de lo mejor y de lo peor, en ocasiones intrascendente pero, en otras, tremendamente determinante y resolutivo gracias a su capacidad técnica. Así sucedió en la noche del sábado 15 de enero de 1972.

Fio Maravilha, segundo por la derecha agachado, en una formación de Flamengo en la década de los setenta.
El Benfica lisboeta, dominador del fútbol portugués de la época, visitaba Brasil en una gira de encuentros amistosos que le llevó a medirse al Flamengo sobre el césped del monumental Maracaná, en el Torneo Internacional de Verano organizado por el club carioca. El partido, disputado e igualado, discurría ya por su segunda mitad y el Fla deMário Lobo Zagallo parecía incapaz de abrir la defensa que defendía la meta portuguesa. Fue entonces, con el partido ya sesteando hacia su tramo final, cuando la hinchada local que abarrotaba el graderío comenzó a corear con insistencia el nombre de su ídolo, de Fio Maravilha. La insistencia abrumadora de la torçida del Urubu hizo claudicar al sabio Zagallo, quien dio entrada al querido João en el minuto treinta y tres del segundo tiempo, convencido de que ya nadie podría levantar aquel empate. Y fue entonces cuando se produjo uno de esos acontecimientos inesperados y extraordinarios que, de vez en cuando, acuden puntuales para contribuir a forjar la historia de este deporte. Fio Maravilha recibió la pelota cerca del área rival, encaró a dos defensas benfiquistas a los que consiguió driblar con habilidad y se plantó ante la efigie de José Henrique, meta lisboeta, del que pudo deshacerse con un quiebro inverosímil para acabar marcando un gol de antología que daba la victoria al equipo brasileño ante el coloso europeo.
La arquibancada de Maracaná era un clamor. El ídolo había vuelto a regalar una de esas insólitas jugadas que tan de vez en cuando salían de sus botas. Y allí, en mitad de aquella hinchada apelotonada en pie, saltaba y festejaba, como un miembro más de laNação Rubro NegraJorge Ben Jor, probablemente uno de los músicos brasileños más importantes y reconocidos de la historia, quien vio en aquella perla de Fio un argumento ideal para una nueva composición musical.
‘Fio Maravilha’ se convirtió en un éxito inmediato, especialmente entre los entusiasmados seguidores del Fla, que pronto adoptaron las estrofas de Jorge Ben Jor para sus cánticos más habituales. Sin embargo, no todo iba a quedarse ahí. Mal asesorado por un abogado sediento de fama y dinero, el futbolista, quien ya afrontaba el tramo final de su carrera deportiva, decidió llevar al compositor a los tribunales por hacer un uso no autorizado de su nombre y su imagen en la letra de la popular canción. Tras un proceloso y muy costoso proceso judicial, la justicia brasileña terminó sentenciando en favor del músico y obligando a un ya retirado Fio a abonar las cuantiosas costas judiciales ocasionadas a lo largo de los años. Jorge Ben, en prueba de su buena fe, decidió adaptar el título de su canción a las circunstancias y renombrarla como ‘Filho Maravilha’, suprimiendo cualquier mención al exfutbolista.
João Batista de Sales, o, si así lo prefieren, Fio Maravilha, no ha cambiado mucho su vida desde que decidió hacer las maletas a principios de los años ochenta y dejar atrás su Brasil natal con destino a Estados Unidos. Sigue regentando su negocio de pizzas como un inmigrante más y pasa sus horas muertas entrenando a un equipo infantil, para no perder el contacto con el fútbol. Quedan muy lejos sus años de gloria, sus tiempos de ídolo de una torçida rendida incondicionalmente a él pero, para aquellos que no tuvimos la fortuna de poder verle jugar, nos queda el recuerdo de una canción atemporal. Un homenaje singular con la voz, la letra y la música de Jorge Ben Jor. Fio Maravilha, nós gostamos de você…

sexta-feira, 22 de junho de 2012

"The Fighting Irish" e a serenata à chuva da "Geração de Ouro"


Junho de 2012. Dia chuvoso, a Irlanda entra em campo para defrontar  a selecção de um país da península ibérica. A quase totalidade de cada par de chuteiras dessa equipa é calçado por um génio do jogo. Nem sequer é preciso acompanhar muito de perto o futebol para  saber que os de verde têm pouquíssimas hipóteses. Aquele conjunto de jogadores, adversários deste dia, já fez história com a conquista de um Mundial e um EuropeuConsiderando unicamente o "actuação" dos adeptos nas bancadas o resultado seria bem diferente...


Novembro de 1995. Dia chuvoso, a Irlanda entra em campo para defrontar a selecção de um país da península ibérica.  A quase totalidade de cada par de chuteiras dessa equipa é calçado por um génio do jogo. Nem sequer é preciso acompanhar muito de perto o futebol para saber que os de verde têm pouquíssimas hipóteses. Aquele conjunto de jogadores, adversários  deste dia, já fez história com a conquista de dois Mundiais de sub-20

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é PORTUGAL!

Porque continua a ser a melhor música de apoio a Portugal...

Bamos Cambada


Heróica e lusitana gente vamos em frente mas combictamente...
Va lá cambada infantes desportistas, homens de conquistas
Povo que és o meu
Bola redonda e onze jogadores em frente
Sem temores que as tácticas dou eu
Tragam as gaitas, as bandeiras e a pomada
Vamos dar-lhes uma abada, ensinar-lhes o que é bom
Vamos mostrar a esses carafunchosos
Por momentos gloriosos
Quem é a nossa selecção
Bamos lá cambada, todos à molhada que isto é futebol total
Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é PORTUGAL
Bamos lá cambada, todos à molhada que isto é futebol total
Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é PORTUGAL
É atacar agora e defender para fora
Eles são toscos e nem dão para aquecer
Suar a camisola e até jogar sem bola
E disfarçar para o árbitro não ver
No intervalo, solteiros contra casados, fandangos, chulas e fados
Para aprenderem como é
Durante o jogo, qualquer caso lá surgido
Só pode ser resolvido à cabeçada e ao pontapé
Bamos lá cambada, todos à molhada que isto é futebol total
Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é PORTUGAL
Bamos lá cambada, todos à molhada que isto é futebol total
Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é PORTUGAL
Os portugueses já provaram muitas vezes
Saber ser uns bons fregueses das grandes ocasiões
Nesta jornada nem que seja à pantufada
Nós estaremos na bancada muito mais de dez milhões
Força Portugueses!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O calcanhar que eu não vi e o jogo da bola laranja!

Uma equipa portuguesa na final da Taça dos Campeões era coisa que não se via desde aquela final do Benfica contra o Manchester United em 1968, durante o Maio da Primavera de Praga, quando Bobby Charlton derrotou Eusébio já com os Encarnados sob a maldição de Bela Guttmann.
Por isso naquele Maio de 1987 era obrigatório ver o F.C. Porto de Madjer e Futre e do guarda-redes polaco com nome esquisito. Devo ter escutado nessa altura, pela primeira vez, a gasta frase de que em  jogos Europeus torcemos sempre pelas equipas portuguesas. Seja. Eu queria era "absorver" futebol. Lembro-me que naquela altura aprendia sempre alguma coisa com os comentadores durante os jogos. Alguma regra, tácticas, histórico das competições ou antigos jogadores que não conhecia. Não sei se foi a qualidade dos "locutores" que piorou ou se sou eu que já não "absorvo" tão bem, mas a verdade é que agora não é a mesma coisa.
O que eu não contava é que a minha amiga de sempre, a velha Philco (descobri agora que quer dizer Philadelphia Company) a preto-e-branco se apaga-se de vez. A minha televisão de sempre, com a sua caixa de madeira acastanhada com umas pinceladas de preto e com os seus, penso que oito, compridos botões alinhados na vertical do lado direito do ecrã curvo do cinescópio. Tinha-me acompanhado nas intermináveis manhãs de Sábado onde me ofereceu as inesquecíveis memórias do "Dartacão" ou os desenhos animados checoslovacos apresentados por Vasco Granja e pelo caminho me ensinou a "hablar en español" enquanto me mostrava na TVE (Televisión Española) o que eram capazes de fazer em campo aqueles rapazes da madrilena "Quinta del Buitre". E logo agora, ás portas da final da Taça dos Campeões deixava-me "pendurado". Eu sabia que havia um lado bom nesta "calamidade", a próxima TV com certeza seria a cores e as barras das camisolas do Chaves nos resumos do Domingo Desportivo iam deixar de ser em dois tons de cinza. Fraco consolo para quem ficou sem o directo do "slalom" do Futre pelo lado direito e do mais famoso golo de calcanhar da história do jogo. Ainda assim, aquela vitória azul e branca comprou o bilhete para a Intercontinental, aquela épica batalha com os uruguaios do Peñarol na neve de Tóquio, e essa, apesar dos meus 10 anos e de ser madrugada em Portugal eu não iria perder, ainda por cima a cores! E nunca me irei esquecer desse jogo em que a bola era cor-de-laranja...

O Euro fica-te tão bem!




Chamam-te Czar, e bem. Mas se te chamassem "Gato" também não estaria mal, tantas vidas tu tens. Já te deram como morto e até enterrado tantas vezes. Agora cá estás tu, a caminho da Polónia/ Ucrânia. Agora que foste convocado e viram o que tu "mexes" uma equipa, vais ser titular, claro! Como serias em qualquer outra selecção ou clube. O problema vais ser que te deixem voltar a Alvalade depois de todos descobrirem o muito que tu jogas!
De qualquer maneira....O Euro fica-te tão bem!

quinta-feira, 17 de maio de 2012

O Hugo Viana já foi o meu André Martins!

O anúncio dos eleitos. Ás oito da noite Paulo Bento aparecia em todos os canais, em todos os ecrãs do país.
Sem o entusiasmo de outros tempos, vi em directo a sucessão dos vinte e três nomes que saíam da boca do seleccionador. Sei de antemão que no dia 9 de Junho vão subir ao relvado com as quinas ao peito, salvo imprevisto, Patrício, J. Pereira, Pepe, B. Alves e Coentão, M. Veloso, Moutinho e Meireles, Nani, C. Ronaldo e Postiga. Devido a uma escassez a que já não estávamos habituados não haverá surpresas, os outros serão pouco mais que figurantes. Infelizmente não temos "Raúles Gonzales" nem "Romários" para deixar de fora. Aguardava apenas por um nome, o único que me faria reagir, que me causaria alguma ilusão. André Martins é como aquelas paixões nos anos da adolescência. A miúda nova na escola que nos ficou na cabeça desde a primeira vez que a vimos, fugazmente, no recreio. Depois foi-nos apresentada, aos poucos fomo-la conhecendo melhor, mas ainda não o suficiente para que saibamos tudo, ainda sem defeitos, ainda com espaço para a fantasia. É a sedução de um olhar, a insinuação de um decote. Hugo Viana é o oposto. Foi a paixão fulgurante daquela meia época de Sporting, aquele meio ano em que parecia que já não podíamos viver sem ele. Em 2002 ele foi o meu André Martins. Depois apagou-se. Nem Newcastle, nem Valência, nem sequer Osasuna. Representa a expectativa gorada, a relação gasta, já conhecemos todas as virtudes e defeitos, já não há espaço para mais magia. Grande de mais para o SC Braga,  não o suficientemente bom para outros patamares. O nome de André Martins não foi pronunciado naquela conferência de imprensa. As aulas acabaram e ela disse-nos que ia passar as férias fora, o derrubar das esperanças de um encontro fugidio  no calor do verão. Nem sequer a sedução de um olhar, nem sequer a insinuação de um decote. André Martins, já o estava a ver, quando a teia alemã tecida por Bastian Schweinsteiger nos começasse a enlear como de costume, a saltar do banco, a costurar de vez o meio campo português rumo à vitória. Assim, resta-me esperar que as aulas comecem novamente e ela volte a entrar pelo portão da escola, fulgurante, magnifica. A época da plena afirmação. Entretanto, e com o festival de verão da Polónia/Ucrânia a chegar à cidade, resta-me a pequena esperança que escondido nos 23 de um qualquer dos ranchos folclóricos presentes, surja um novo e desconhecido amor de verão, quem sabe um novo Arshavin, um novo Mesut Özil...

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Ode aos perdedores...

Athletic Club pede a final.
O lado dos perdedores, é sempre esse o meu quando acaba uma final.
A final do Euro 2004, a final da Taça UEFA em 2005, a final da Taça de Portugal em 2010. As mais importantes, as irrepetíveis, sempre a derrota. Portugal, Sporting e Desportivo de Chaves
Poder-se-ia dizer até que tenho uma inexplicável atracção pelos que perdem, pelo "bando dos perdedores". Lembro-me daqueles jogos da ACB, a liga espanhola de basket, ao sábado de manhã. Apanhava os jogos pelo meio e o Real Madrid ou o Barcelona inevitavelmente na frente, dava por mim sempre a torcer pelos "Davides" daquele dia, os Coren Orense, os Taugrés Vitoria, sem nenhuma ligação a eles, quase sempre perdedores para os "Golias", a roer as unhas para que aquele americano que não conhecia marcasse o triplo milagroso em cima da hora, pela glória efémera de uma vitória que nunca seria minha.

10 de Maio de 1987: Nápoles Campeão

















Faz hoje precisamente 25 anos que um empate 1-1 com a Fiorentina de Roberto Baggio bastou para a Società Sportiva Calcio Napoli se tornar campeã de Itália pela primeira vez.
Com a derrota do Inter frente à Atalanta e o empate da Juventus com o Hellas Verona e há falta de apenas uma jornada para o fim, estava confirmado o primeiro Scudetto de Maradona.
Sim, era mais um milagre segundo o D10S Argentino. Uma equipa treinada por Ottavio Bianchi em que para além de Maradona, Ciro Ferrara, De Napoli e Andrea Carnevale poucos serão os nomes que nos ficaram na memória.
Um San Paolo a "rebentar pelas costuras" festejou pela primeira um Scudetto ganho por uma equipa ao sul de Roma, era uma vitória que ia para além do futebol...





segunda-feira, 7 de maio de 2012

RAÚL GONZÁLEZ BLANCO: EL JUGADOR INTELIGENTE


(Texto retirado do blog "Los Mejores Ratos")

Hoy he visto un rey mordiendo la arena, le llevaron preso en una limousine: restos de stock, polvo de estrellas…
Quique González.
Cuando la gente escucha las canciones de Quique González recuerda, supongo, a la chica de aquel verano, a la rubia del otro lado de la barra o aquellas vacaciones en el Cabo de Gata; a los amigos de la infancia, dando patadas a un bote en Gran Vía a las seis de la mañana, volviendo de día a casa. Yo al escuchar esta canción de Quique siempre pienso en Raúl. Así me sentí cuando vi el conato de homenaje que le dieron en el Bernabéu al irse, un día sólido de julio, ante un par de cientos de turistas madridistas que andaban haciendo el tour del estadio, y que le hacían fotos a Raúl como quien le hace fotos a un elefante, encerrado en una jaula gigante, en su último día en el zoo. Restos de stock, polvo de estrellas. Me acordé de esa historia que contaba Billy Wilder. Una tarde, paseando con Audrey Hepburn, se le acercó un chaval y le pidió tres autógrafos. Wilder preguntó que por qué tres. El chico le explicó que por tres autógrafos suyos le daban uno de Spielberg. No hay tiempo para las leyendas en Hollywood y menos en el Real Madrid. No hay tiempo para nada. Ni si quiera para él. El mejor de todos. Raúl González Blanco.
Siempre recuerdo la descripción que de él hizo Valdano. Decía que la cualidad más grande de Raúl como jugador es la inteligencia, precisamente la cualidad más difícil de apreciar para las personas no inteligentes. Y es que quien no entienda a Raúl no entiende el juego. Porque él lo conoce entero, entiende su dinámica, domina sus tiempos, cuándo bajar al centro del campo porque el equipo lo necesita, cuándo armar bronca para calentar al estadio, cuándo jugar al toque, cuando aguantar, cuándo apretar, nunca rendidas las armas. Raúl es el juego. Y es el Real Madrid. Por mucho que nos guste el fútbol bonito, el toque y la posesión, el Madrid no se caracteriza por nada de eso. Nuestro lugar está en la remontada y el carácter, tiene más que ver con el corazón que con el cerebro.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Desportivo de Chaves na Europa - 25 Anos Depois, a Homenagem! (II)

Até há bem pouco tempo, cada vez que se abria um jornal, se existisse qualquer referência ao Desportivo, com certeza era por motivos negativos, o clube estava doente e não se sabia se não iria mesmo morrer.
Felizmente as coisas mudaram, a situação do clube encontra-se razoavelmente estabilizada e agora voltam as boas notícias. O clube, mérito para quem o dirige neste momento, soube homenagear os que levaram o clube para um patamar impensável para um clube transmontano na década de 80 do século passado.
Para quem não seja flaviense e não tenha visto aquelas equipas da última metade da década de 80 jogar de quinze em quinze dias, deve achar quase ridícula a declaração de Raul Águas na reportagem  d' "A Bola TV"  abaixo, em que ele diz que aquela equipa lutaria agora pelo 2º ou 3º lugar do campeonato. Devem achar que a adoração por um jogador como Radi por parte dos adeptos não faz muito sentido. Enganam-se! É evidente que há muita emoção e sentimentalismo entre elementos da equipa e adeptos quando se fala da ida à UEFA, mas aquela gente jogava mesmo muito há bola e depois tinham aquilo que se diz muitas vezes como sendo o segredo dos grandes sucessos, não era só um conjunto de grandes jogadores, eram jogadores que em conjunto faziam uma grande equipa!
Da minha parte fico feliz por saber que o Desportivo continua vivo, seja em que divisão for. Saber que aquelas camisolas azul-grená continuam por aí, seja no Jamor, seja em Mirandela, não sei explicar porquê,  é importante para mim...


Fica a reportagem d' "A Bola TV" sobre a homenagem do Grupo Desportivo de Chaves aos jogadores, treinadores e restantes elementos dos plantéis das épocas 86/87 e 87/88, no dia 01 de Maio de 2012.

Presentes na homenagem:
Raul Águas, Padrão, Davide, Radi, Gilberto, Cerqueira, Dr. Romero, Ferreira da Costa, Jorge Silva, Jorginho, Rogério, Dr. Montes, Slavkov, Adelino Ribeiro, Abreu, Beto, Luis Saura, Prof. Simões (representado pela viúva)





Vídeos de Radi no mundial do México 86:
http://www.youtube.com/playlist?list=PL281FABDA37A1D64E&feature=mh_lolz

Vídeos com resumos de vários jogos do Desportivo nos anos 80:
http://www.youtube.com/playlist?list=PL92A1D5861ED75AEB&feature=mh_lolz

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Desportivo de Chaves na Europa - 25 Anos Depois, a Homenagem!


Porque todas as homenagens que se possam fazer a estes jogadores, treinadores e restantes elementos destas equipas serão poucas!

Dia 1 de Maio de 2012, o Grupo Desportivo de Chaves homenageou, com um jantar de gala, os responsáveis pelo momento mais marcante desde que o clube foi fundado a 27 de Setembro de 1949, a presença na Taça UEFA na época  87/88
É verdade, o Radi, o Slavkov, o treinador Raul Águas e mais alguns jogadores dos plantéis das épocas 86/87 e 87/88, que marcaram a história do clube voltaram a pisar a relva do Municipal de Chaves. E como ela se deve ter sentido feliz!



Dia 1 de Maio de 2012 - Alguns dos Heróis das épocas 86/87 e 87/88 regressaram a casa! 
"Old rockers never die!"

Desportivo de Chaves - Época 87/88


Padrão, Fonseca, Toni, Vivas, Edgar, Cerqueira, Rogério, Garrido, Sandor, Jorginho, Celestino, Beto, Raúl, David, Lacota, Ferreira da Costa, Júlio Sérgio, Luís Saura, Diamantino, Gilberto, Kiki, Radi, Jorge Plácido, César, Fontes, Jorge Silva, Ramadas, Vicente, Slavkov, Serra, Abel, Jorge Silvério, Vermelhinho, Vitorino Belinha.

Aqui no blog, já antes tinha dado o meu pequeno contributo para que estes Homens nunca sejam esquecidos:

sexta-feira, 27 de abril de 2012

"Mellon Collie and the Infinite Sadness" em San Mamés


O que une os americanos  "The Smashing Pumpkins" de Billy Corgan  e o Sporting Clube de Portugal? Aparentemente nada. Mas a verdade é que o titulo do seu álbum de 1995, "Mellon Collie and the Infinite Sadness", pode muito bem ser usado para definir o sentimento Sportinguista após a meia-final de Bilbau. É verdade, ficamos com um grande "melão" e uma infinita tristeza! E a capa? Alguém que chegou lá muito alto, ás estrelas, mas ainda assim olha para cima com um olhar melancólico, a imaginar como seria chegar um bocadinho mais além...
Como se costuma dizer: Glória aos vencedores, honra aos vencidos! 
No final do jogo os adeptos do Athletic voltaram a cantar "Esporting, Esponting....". Dificilmente voltaremos a ouvir os Bascos gritar o nome de outra equipa no seu estádio e isso diz tudo sobre o que é o Sporting Clube de Portugal.

Dos dois discos do álbum "Mellon Collie and the Infinite Sadness", há uma música que pode definir esta Equipa e esta caminhada pela Liga Europa:


"Beautiful"




Os onze magníficos:


Os restantes magníficos:

Os magníficos recebem os magníficos:


Uma coisa é certa, esta banda de rock alternativo verde e branca continuará a dar grandes concertos onde quer que vá!



(fotos: http://www.abola.pt/)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

A Noite de Diego Capel - "The Flying Spanishman"



2-1

Diego Capel - "the flying spanishman"




Sou bem amado, e sonho ganhar
À final de Bucareste eu quero chegar
Ponho em campo, o coração
Os Sportinguistas, jamais me esquecerão...

Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...
Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...

Ainda agora aqui cheguei
E milhões de adeptos já conquistei

O meu destino, golos marcar
 Tenho uma liga Europa para ganhar...

Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...
Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...

Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa, voa...

Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...

Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa voa...

Voa, voa, voa...



(Qualquer semelhança com a música "Voa" dos Quinta do Bill é mera coincidência!!) 

(foto: http://www.uefa.com/)


quarta-feira, 18 de abril de 2012

O Estranho Caso da Paixão pelas Camisolas do Dortmund

Versão 1995/96 
Borussia Dortmund 1-0 Bayern München. Foi preciso esperar até ao minuto 77 do jogo para que no visor do telemóvel aparecesse o resultado por mim esperado. O golo de Robert Lewandowski resolveu definitivamente a questão do titulo alemão da época 2011/2012.
Quem acompanha o futebol de forma mais próxima, sabe que normalmente primeiro aparece o amor pelo nosso clube, depois vamos acumulando Mundiais, Europeus, Competições da UEFA, descobrimos a Copa América, Libertadores e os diferentes Campeonatos Nacionais e é impossível, pelas mais diferentes razões, não ganhar afeição por clubes e selecções que aparentemente nada teriam a ver connosco. Quantos adeptos portugueses ganhou a Fiorentina quando lá chegou Rui Costa? Pela proximidade geográfica quantos transmontanos não se apaixonaram pela magnifica epopeia do Corunha nos tempos do SuperDepor? Quem era do Chelsea antes da era Mourinho? Alguém saberia as cores do Southampton se não tivesse por lá passado o mítico Matt Le Tissier. Quem não se lembra também de quando a Selecção só ia a uma competição internacional a cada duas décadas (66, 84 e 96) e muitos portugueses torciam pelo Brasil por ser o "país irmão". É óbvio que a onda Maradona trouxe para a selecção Argentina, o Boca Juniors e o Nápoles fãs para toda a vida! E quantos não continuam carinhosamente a acompanhar os resultados de um clube do meio da tabela da Bélgica ou Escócia porque aquela paixão de verão estrangeira de à muitos anos lhes deixou essa herança?

terça-feira, 10 de abril de 2012

Sporting 1 - 0 Benfica, Rábula do Lobo e da Girafa




O Lobo 
  • Os seus cérebros estão bastante desenvolvidos comparado com o resto dos animais, pelo que geralmente os tornam mais inteligentes. São animais predadores, pelo que o seu físico está adaptado para tal. Têm dentes fortes e afiados e poderosos músculos nas suas patas
  • A principal actividade que se leva a cabo numa matilha é a caça. As tarefas estão designadas previamente por cada indivíduo. Uma das vantagens dos lobos é a sua resistência, por isso, na altura de caçar será o seu trunfo para chegar perto da sua presa e capturá-la. 
  • A espécie dos lobos é considerada como uma super predadora. Significa que não tem competição externa de outros animais que determinem a sua população. Por isso, o seu nível de crescimento dependerá exclusivamente pela quantidade de alimento de que disponham.


A Girafa
  • As girafas dormem aproximadamente duas horas por dia e um pouco de cada vez. Elas dormem em pé e, apenas em ocasiões muito especiais, quando se sente completamente segura, se deita no chão para descansar. A girafa só se deita se estiver segura pois, caso um predador se aproxime, ela demora muito tempo para se levantar devido a seu tamanho.


Sem comentários......





(Foto cima: http://www.publico.pt/)
(Foto baixo: http://seromaradona.blogspot.com/ )

quinta-feira, 29 de março de 2012

Runaway Referee (Tradução para português: Rola em Fuga)

Era um Domingo de Novembro, ainda assim o Sol sentia-se generoso e os seus raios abraçavam o Municipal de Chaves em mais uma tarde de futebol do Nacional da 1ª de 92/93.
Frio, só mesmo o campeonato do Desportivo orientado por Henrique Calisto que apenas tinha ganho o 1ª jogo, e já estávamos na jornada 13. Os flavienses viam a equipa no fundo da tabela e no Topo Norte não restavam dúvidas de que havia "mão" da arbitragem no assunto. A empurrar para baixo, claro.
Naquela tarde o convidado era o Boavista do Major, treinado por Manuel José.
Em campo, de xadrez, entravam jogadores como Rui Bento, Tavares, o "mítico" Bobó ou os inesquecíveis brasileiros Artur e Marlon Brandão (o tal que ganhou a lotaria quando jogava no Valladolid). Pela parte do Chaves alinhavam históricos como Vítor Nóvoa, Lino (5ª época no clube, chegaria às 11), Paulo Alexandre (4ª época no clube, chegaria às 17!), Filgueira (5ª época), David (7ª época no clube, de 8), Manuel Correia (4ª época no clube, chegaria às 7), ou mesmo o flop Bakalov, que de craque só tinha (quase) o nome! Mas a figura, ou melhor o figurão da tarde, seria nem mais, nem menos que o homem de preto, António Rola.
O comentador diz no resumo "...o árbitro cometeu muitos erros, prejudicando mais o Desportivo de Chaves, especialmente no capítulo do fora de jogo...".
Tradução: arbitragem "inteligente" ao mais puro estilo "anos 90" (ou como dizia o outro, vocês sabem do que é que eu estou a falar!)




sexta-feira, 23 de março de 2012

234 x Messi

Cinquenta e sete anos depois Lionel Messi ultrapassa César Rodríguez como melhor marcador de sempre do F.C. Barcelona.

234 golos em 314 jogos:
184 com o esquerdo,
38 com o direito, 
10 com a cabeça
1 com a mão (vs Espanyol)
1 com o peito (vs Estudiantes de La Plata no Mundial de Clubes).

Vítimas favoritas:
Atlético de Madrid (18)
Sevilha (14),
Real Madrid (13) 
Racing Santander (12).
Xerez, Cádiz e Murcia são as únicas equipas que não sofreram golos do herdeiro de Maradona quando o defrontaram.

Todos os golos em 15 minutos:



Descobre as diferenças:

"O golo do século"



"La mano de Dios"




E quem foi César Rodríguez? ver aqui

O jogador em acção:

quinta-feira, 22 de março de 2012

Sonho de Uma Noite de Verão (Maradona em Alvalade)

14 de Setembro de 1989 - Foi este o dia em que o fabuloso pé esquerdo de "El Pibe" pisou o "velhinho" José  Alvalade e saiu do relvado com a camisola com listas verdes vestida!
Jogava-se a 1ª mão da 1ª eliminatória da Taça UEFA da época 89/90 e o Nápoles  era o "dono da Taça" depois de vencer o Estugarda na final e de ter vencido equipas como o Bordéus, Juventus e Bayern Munique até lá chegar. 
Como quase sempre, havia polémica em volta do craque. Naquele inicio de época o motivo foi o jogador ter ficado "retido" no país do Tango e as férias terem durado mais tempo do que o previsto. Já se falava até numa possível saída para o Tottenham.
Como não podia deixar de ser, a chegada do Campeão do Mundo à Portela foi uma loucura e mais uma oportunidade de ver uma "jogada" ao melhor estilo do então Presidente do Sporting, Sousa Cintra, que foi esperar o Argentino ao aeroporto (como se ele soubesse que era aquele personagem!). Reparem na felicidade quase infantil do senhor ao lado de um Maradona que tinha chegado à tão pouco tempo de férias que ainda trazia a camisa "havaiana".


Com o Presidente da República, Mário Soares, e o Primeiro Ministro, Cavaco Silva, na Tribuna (Será que até eles queriam ser o Maradona?), este jogo foi tudo menos normal.
Completamente fora de forma, Maradona iniciou o jogo sentado no banco! Entrou apenas aos 69 minutos com o "16" nas costas e para o lugar do "10" daquele dia, um tal de Massimo Mauro.
Vale a pena ver a reportagem de Manolo Bello do "antes, durante e depois" do jogo (tão diferente das de  hoje, não é?) e em que se faziam entrevistas em qualquer altura do jogo e a qualquer interveniente, não foram sequer esquecidas as Cheerleaders e até a um Jorge Coroado com "funções administrativas"!



Mas a grande questão que "surge" ao ver a foto do dono da "mano de Dios" equipado à Sporting é obviamente:
Quem foi o sortudo que ficou com a mágica azzurra, neste caso "16", da S.S.C. Napoli?
A resposta é: Carlos Xavier.
Muito bem entregue, digo eu, porque também ele era um grande criativo, apesar de o terem absurdamente encostado muitas vezes na lateral-direita. Mas ele era tão bom que até ai se saía bem!
Ah! é verdade, o jogo acabou zero-zero. Na 2ª mão também. Foi a penaltis e aí o Sporting foi eliminado. Mas o inesquecível Tomislav Ivkovic defendeu o penalti do Maradona e ai nasceu uma grande rivalidade que acabaria com outro penalti defendido num Jugoslávia-Argentina do Mundial de Itália 90 (mas essa, é outra história!).

O que eu sei é que naquele 14 de Setembro de 1989.... Eu Queria ser o Carlos Xavier e ficar com a "16" do Maradona!!